Contos do Sol Poente

Sabe quando você lê algo que desperta emoções, lembranças de um tempo que já passou e ficou no seu ❤️? Faz tempo que eu não chorava lendo um livro, e essa nova obra do André Kondo, Contos do Sol Poente, me emocionou demais.

Os contos são super curtinhos, gostosos de ler e me trouxeram memórias afetivas da minha batian e do meu ditian. Coisas que eles faziam, falavam, valorizavam, estão lá naquelas paginas. Parecia que eles estavam pertinho de mim de novo. O André é muito talentoso e tem um olhar diferenciado, sensivel, pra vida.

E eu achei tão lindo o jeito que o André fala do amor, da família, do respeito aos mais velhos…e até mesmo da morte. Até a despedida é delicada, suave. No conto da menininha se despedindo da batian, achei tudo tão bonito, inocente. E o conto do pai com o filho advogado? E do odissan das fotos? E do pai e do filho lutador de judô? Enfim, não sei nem dizer qual dessas historias me emocionou mais.

O conto que abre o livro (Chá) me deixou tão maravilhada que gravei e fiz uma locução impulsivamente, entre lagrimas de emoção. Porque o chá simboliza tanta coisa bonita na cultura japonesa, e nesse conto, depois de tantas perdas terriveis, a Harue reencontra o amor em uma xicara de chá. Muito lindo!

Enfim, recomendo muito comprar e ler!

Saiba mais sobre o livro:
https://kondo.lojaintegrada.com.br/contos-do-sol-poente-andre-kondo

Sinopse:

                    Após Contos do Sol Nascente e Contos do Sol Renascente, com milhares de exemplares vendidos e vários prêmios recebidos, chega aos leitores Contos do Sol Poente, que já recebeu o Prêmio Humberto de Campos, concedido pela UBE no Rio de Janeiro, como melhor original inédito de contos. Individualmente, as 18 histórias desta obra receberam outros 29 prêmios literários. Para além das premiações, a obra traz a força dos imigrantes, neste caso, os japoneses, de quem André Kondo é descendente. O sonho, a determinação, os valores e todos os componentes que perfazem a jornada de um povo em busca de uma vida melhor são encontrados nesta obra.
                  O Sol Poente, em contraposição ao Sol Nascente, traz a metáfora do ocaso da vida, mas não se trata de um fim, mesmo para esta já consagrada trilogia. Afinal de contas, quando o sol se põe em um lugar, significa apenas que ele está nascendo em outro.
                  Contos do Sol Poente ainda conta com ilustrações de Alessandro Fonseca e textos de um notável trio, todos detentores do Prêmio Jabuti: Oscar Nakasato (orelha), Antônio Torres (texto biográfico) e Célia Sakurai (prefácio).
                  Esta obra é um convite para buscarmos as nossas próprias sagas, antes que o Sol se ponha…

Sobre o autor:

André Kondo nasceu em Santo André e foi criado em Taubaté, filho de imigrantes japoneses. É autor de 13 obras, sendo 12 premiadas, incluindo uma tradução desta obra em japonês (おかえりなさい) e outra finalista do Prêmio Jabuti. Morou na Austrália, onde fez pós-graduação pela University of Sydney, e no Japão, tendo visitado desde a gélida Hokkaido no Norte, passando por Honshu, Shikoku e Kyushu, até as ilhas tropicais de Okinawa ao Sul. A convite do Governo do Japão, recebeu a prestigiosa bolsa Gaimusho Kenshusei em 2020, tendo a honra de ser recepcionado por membros da família imperial japonesa. Recebeu mais de 400 prêmios literários, incluindo o Prêmio ProAC por Histórico de Realização em Literatura, concedido pelo Governo de São Paulo. Foi autor homenageado da 2.ª Festa Literária de Jundiaí. É membro correspondente de entidades como a ATL, ASES, AMLAC e membro da Comissão de Atividades Literárias do Bunkyo, fazendo parte da diretoria da Associação Cultural e Literária Nikkei Bungaku e da Associação Brasileira de Ex-Bolsistas Gaimusho Kenshusei. Como autor, chegou a receber o Selo Cátedra Unesco de Leitura PUC-RIO e o Altamente Recomendável da FNLIJ, em uma obra em coautoria, na qual escreveu sobre a sua família. É editor da Telucazu Edições, pela qual tem publicado autores e autoras que estão despontando no cenário literário contemporâneo, com várias obras premiadas. Site: www.andrekondo.com

Sobre o ilustrador:

Alessandro Fonseca nasceu em Taubaté/SP em 1976. É descendente de imigrantes italianos, sírio-libaneses e alemães. Ilustrador de vários livros premiados. Na carreira como artista plástico, teve trabalhos expostos em países como Estados Unidos, Romênia e Argentina. No universo musical, sua arte já foi utilizada na cenografia de clipes da cantora brasileira Pitty e em capas de álbuns, como o “Evolution” da cantora japonesa de J-Pop, Masami Okui. Na elaboração de figurinos, venceu o 1.º Anime Friends, tendo sido também diretor de arte do clipe “On the rocks” de Ricardo Cruz (Jam Project), com participação de Hiroshi Watari. Também desenvolveu as esculturas de Tsurus (grou japonês) que receberam ilustrações de vários artistas, para a exposição no Festival do Japão de São Paulo, na edição comemorativa dos 110 anos da imigração japonesa no Brasil. Para ilustrar “Contos do Sol Poente”, assim como seus antecessores “Contos do Sol Nascente” e “Contos do Sol Renascente”, usou a técnica de nanquim aquarelado, remetendo também ao traço do sumiê.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *